Ir para conteúdo

Oitenta anos depois, vítimas italianas de crimes nazistas finalmente conseguem indenização

Crispian Balmer
Crispian Balmer
Chief Correspondent, Italy, Reuters

Em outubro de 1943, depois de os nazistas iniciarem uma ocupação brutal do seu ex-aliado, as tropas alemãs enforcaram seis civis italianos numa encosta no sul de Itália como punição coletiva pela morte de um soldado, que procurava comida.

Oitenta anos depois, parentes desses homens mortos em Fornelli irão finalmente receber uma parte dos 12 milhões de euros concedidos por um tribunal italiano como compensação pelo trauma às famílias.

“Todos os anos nós lembramos do ocorrido. Isso não foi esquecido”, disse Mauro Petrarca, bisneto de um dos italianos mortos, Domenico Lancellotta, católico romano de 52 anos, pai de cinco meninas e um menino.

Todos os membros da família que estavam vivos no momento dos assassinatos estão mortos, exceto um. Porém, segundo a lei italiana, os danos que lhes são devidos podem ser repassados aos seus herdeiros.

Isto significa que Petrarca deverá receber cerca de 130.000 euros nos termos de uma decisão judicial de 2020. Numa reviravolta irônica, será a Itália, e não a Alemanha, a pagar a indenização, depois de Roma ter perdido uma batalha no Tribunal Internacional de Justiça sobre se Berlim ainda poderia ser responsável por danos ligados aos crimes e atrocidades da Segunda Guerra Mundial.

Organizações judaicas na Itália acreditam que é Berlim que deveria pagar como forma de reconhecimento da sua responsabilidade histórica. No entanto, os grupos de vítimas temem que Roma demore para lidar com o alto número de reclamações que poderão pesar nas contas do Estado.

“Esta é uma questão muito polêmica, tanto do ponto de vista político quanto jurídico”, disse Giulio Disegni, vice-presidente da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI), que tem acompanhado a questão em nome das vítimas judias dos horrores nazistas.

Um estudo financiado pelo governo alemão e publicado em 2016 estimou que 22 mil italianos foram vítimas de crimes de guerra nazistas, incluindo 8 mil judeus deportados para campos de extermínio.

Outros milhares de italianos foram forçados a trabalhar como escravos na Alemanha, o que os torna elegíveis para reparações.

As primeiras pessoas que provavelmente se beneficiarão do novo fundo governamental criado para lidar com reivindicações são os descendentes dos seis homens católicos de Fornelli, que foram enforcados enquanto soldados alemães tocavam música num gramofone roubado de uma residência próxima.

As mortes ocorreram um mês depois de a Itália ter assinado um armistício com as forças aliadas, encerrando a sua participação na Segunda Guerra Mundial e abandonando os nazistas, que iniciaram imediatamente a ocupação do país.

Esteja sempre informado através do conteúdo do serviço brasileiro de notícias da Reuters