Ir para conteúdo

Tendências regulatórias no setor de serviços financeiros

John Mason
John Mason
Global Head Enterprise Middle and Back Office, Refinitiv

Em um webinar promovido pela Refinitiv, especialistas do setor de risco e compliance discutiram as tendências regulatórias e os desafios impostos ao setor financeiro, incluindo as medidas que bancos e outras instituições devem adotar para se adaptar às novas regulamentações.


  1. Hoje em dia, bancos e instituições financeiras (FIs, na sigla em inglês) operam em um cenário regulatório complexo e desafiador, e precisam compreender a escala e o impacto das mudanças regulatórias já em vigor ou que vêm por aí.
  2. Cinco importantes iniciativas deverão moldar o setor financeiro a partir de 2020, incluindo a Basileia III, o pacote com Risk Reduction Measures (RRM) e a migração da Libor.
  3. Como o acesso a soluções que envolvem dados confiáveis e ferramentas de ponta pode ajudar as empresas a responder com rapidez, precisão e eficiência aos requisitos regulatórios em constante mudança?

Para mais informações baseadas em dados diretamente no seu inbox, assine o boletim semanal Refinitiv Perspectives

O setor de serviços financeiros opera em um ambiente que, cada vez mais, se caracteriza por intenso escrutínio regulatório, crescente volume de produção de relatórios e várias mudanças na área de compliance.

Com a pandemia de coronavírus, o cenário se tornou ainda mais complexo. Muitos bancos e instituições financeiras foram obrigados a fornecer informações adicionais, relacionadas a Covid-19, aos reguladores.

Em meio a esse panorama desafiador, é fundamental que as organizações do setor tenham uma visão adequada da escala e do impacto das mudanças regulatórias em andamento.

Em um recente webinar promovido pela Refinitiv, profissionais de renome do setor financeiro abordaram esse tema,  compartilhando suas impressões sobre as principais iniciativas regulatórias que moldarão a indústria de agora em diante.

Ouça o webinar: Regulatory Trends in 2020

Como a regulamentação do setor de serviços financeiros está mudando?

  1. Europa e RRM

Em 2016, a Comissão Europeia (CE) propôs um pacote de reforma bancária voltado à redução de riscos e projetado para ajudar a concluir as reformas regulatórias pós-crise na Europa.

Esse pacote, conhecido como Risk Reduction Measures (Medidas de Redução de Risco) ou RRM (na sigla em inglês), foi aprovado pelo Parlamento Europeu em abril de 2019 e apresenta uma série de regras destinadas a tornar o sistema financeiro mais resistente e estável.

O RRM inclui alterações no Regulamento de Requisitos de Capital (CRR, na sigla em inglês) e na Diretiva de Requisitos de Capital (CRD), bem como na Diretiva de Recuperação e Resolução de Bancos (BRRD) e no Regulamento do Mecanismo de Resolução Única (SRMR) . (1)

  1. Basileia III

O Acordo de Basileia III (ou simplesmente Basileia III) continua em construção. No webinar, os panelistas descreveram e discutiram algumas mudanças que eles consideram cruciais.

A abordagem padronizada para risco de crédito (CRSA) visa aumentar a sensibilidade ao risco e reduzir a dependência de classificações externas. Novas classes de exposição e ponderações de risco recalibradas e mais diferenciadas, bem como fatores de conversão modificados, significam que os requisitos de capital podem ser bem diferentes no futuro.

  1. Revisão fundamental da carteira de negociação (FRTB)

A FRTB –parte da estrutura de Basileia III— constitui um conjunto revisado de padrões prudenciais que especificam os meios pelos quais os bancos devem calcular os requisitos de capital de risco de mercado.

O prazo de implementação desse regulamento, que terá impacto global, é janeiro de 2023.

Para se adaptar a ele, os bancos e instituições financeiras deverão:

  • Obter, processar, normalizar e interagir com observações de preços reais para determinar quais fatores de risco passam no teste de elegibilidade de fator de risco (RFET).
  • Obter dados de mercado de séries temporais históricas adicionais até 2007, bem como constituintes de fundos e índices e informações de pesos para requisitos de look-through.
  • Classificar os intervalos para a abordagem padronizada.
  1. Migração da Libor

A Libor, referência de taxa de juros amplamente adotada que sustenta trilhões de dólares em instrumentos financeiros e derivativos, deve ser eliminada até o final de 2021. As alternativas a ela incluem taxas overnight livres de risco, como SONIA, SOFR e € STR, que são administradas por bancos centrais, e taxas de referência de termo, como TSRR, controladas por administradores de referência privados.

Com o prazo se aproximando rapidamente, a migração da Libor apresenta uma série de desafios de gerenciamento de dados para bancos e instituições financeiras. Eles incluem a obtenção e licenciamento de novos benchmarks e identificação dos instrumentos existentes que fazem referência à Libor, além da compreensão de sua respectiva linguagem.

  1. Brexit

A Diretiva de Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) é um quadro regulamentar estabelecido pela União Europeia (UE) para regular seus mercados financeiros e promover a transparência.

À medida que o mundo pós-Brexit avança, a MiFID será aplicada na legislação do Reino Unido e provavelmente resultará na formação de um regime paralelo com dados de referência fornecidos pela FCA em vez da autoridade da UE, a ESMA.

Os dados de referência da ESMA orientam as regras dos relatórios obrigatórios de comércio e de transações. Portanto, as empresas terão de fornecer dados de referência para campos que equivalem ao FCA.

Acesse o Expert Talk: Unpacking The Regulatory Landscape Shaping Financial Services In 2020

Por que os dados e o seu gerenciamento são cruciais?

A escala e a complexidade das mudanças em curso não devem ser subestimadas. Porém, nossos especialistas apontam que muitos dos desafios e requisitos elencados estão relacionados aos dados e ao seu gerenciamento.

Portanto, é crucial que os bancos e instituições financeiras adotem uma abordagem proativa. Eles precisam garantir o acesso a dados confiáveis e soluções de ponta, sempre com os parceiros certos para ajudá-los a responder a todas essas mudanças de forma rápida e eficiente.

Ouça ao webinar: Regulatory Trends in 2020