1. Pagina inicial
  2. ​Investimento em infraestrutura global
  3. O relatório de Investimento em infraestrutura sustentável
  4. Percalços para uma infraestrutura sustentável
empty image

O relatório de investimento em infraestrutura sustentável

Percalços para uma infraestrutura sustentável 

Explorando tendências, participantes e dados que impulsionam a crescente explosão da infraestrutura sustentável.

Neste relatório, destacaremos algumas das principais tendências que impulsionam o atual mercado de investimento em infraestrutura sustentável, juntamente com dados importantes que ajudarão a refinar a lista de participantes-chave, sinalizarão as métricas mais importantes para monitorar e destacarão os desafios iminentes para investidores e patrocinadores do governo.

Resumo dos principais fatos

  • Em 2021, foi anunciado globalmente um recorde de US$ 627 bilhões em projetos de infraestrutura sustentável nos setores de energia renovável e nuclear, em comparação com US$ 275 bilhões em 2020. Um total de 1.521 projetos de infraestrutura renovável e nuclear foi anunciado, acima dos 1.365 em 2020 e mais de 3,5 vezes o número total de projetos lançados há uma década.
  • Os projetos solares estão liderando, com um total de 863 novos projetos anunciados em 2021, seguidos pelos projetos eólicos, que tiveram 442 novas iniciativas lançadas no ano passado.
  • Apesar do crescimento constante dos investimentos, muitos grandes projetos foram deixados de lado devido a uma combinação incapacitante de atrasos em projetos relacionados à pandemia, problemas na cadeia de fornecimento, tensões geopolíticas e pressões inflacionárias. Dos 1.232 projetos solares e eólicos anunciados em 2020, apenas 47 (3,8%) foram concluídos.

 

Introdução

Onde estão todas as turbinas eólicas? Ou, aliás, as fazendas solares, as usinas hidrelétricas e as frotas de transporte público elétrico? Estes deveriam ser os dias de ouro da infraestrutura sustentável. Entre o grande plano orçamental da administração de Biden para reconstruir os EUA e, ao mesmo tempo, mudar para fontes de energia mais limpas, o Pacto Ecológico Europeu, com o seu ambicioso objetivo de crescimento dissociado da utilização dos recursos, e um mandato global para um investimento sustentável, talvez tenhamos esperado provas mais visíveis da transformação que todos têm falado nos últimos anos.

O fato é que os projetos de infraestrutura sustentável estão vivos e bem – e crescendo globalmente –, mas a onda de entusiasmo que acompanhou as proclamações ousadas na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas COP26 e a especulação desenfreada entre os investidores enfrentou alguns ventos contrários. Entre eles está um ambiente geopolítico cada vez mais tenso que pode criar desafios futuros de acesso a recursos naturais críticos, inúmeros atrasos em projetos e estouros de orçamento causados pela pandemia, problemas na cadeia de fornecimento e um ambiente econômico volátil.

Como prevemos há um ano em nosso primeiro Relatório de investimentos em infraestrutura sustentável, o ritmo e a escala das mudanças que estão ocorrendo criam grandes oportunidades e riscos significativos – ambos os quais agora se manifestam à medida que a infraestrutura sustentável entra na adolescência desajeitada de seu crescimento evolutivo.

Image with cross-section of a road on bridge with water on the left side, while the nature with greenery  on the right of it.

Capítulo 1

Nem toda infraestrutura é criada da mesma forma

A conversa geralmente começa com percalços. Ruas de cidades em ruínas, pontes e túneis decadentes e aeroportos e estações de trem invadidos – esses são os projetos de infraestrutura que nos atraem para a conversa porque os vivenciamos todos os dias. Destes, não há um grande salto para usinas de energia a carvão, que liberam carbono, que geram 2,23 libras de CO2 por quilowatt-hora de eletricidade, e frotas de ônibus e caminhões pesados, que representam cerca de um quarto de todos os gases de efeito estufa relacionados ao transporte.

Invariavelmente, mesmo o observador mais casual deve concluir que a infraestrutura e a sustentabilidade estão indissociavelmente ligadas. Embora nem todos os projetos de infraestrutura hoje sejam sustentáveis – como evidenciado por todos os buracos e chaminés que ainda existem –, mudar o status quo concentrando-se na sustentabilidade tornou-se um objetivo primordial de quase todas as grandes economias do mundo. Seja por meio de compromissos com as Metas de Desenvolvimento Sustentável da ONU e com o Acordo de Paris, legislação ousada, como a Lei de Infraestrutura Bipartidária e o Pacto Ecológico Europeu, ou de algumas iniciativas regionais e municipais de ar limpo, economia de energia e concepção ambiental, a grande maioria dos investimentos atuais em infraestrutura tem um forte foco na sustentabilidade.

Governos do mundo todo estão colocando questões ambientais, sociais e de governança (ESG) no topo de suas agendas administrativas e o foco deles está claramente treinado em clima e emissões de carbono,

"Isso significa que tudo está em discussão: desde exigir que as empresas relatem as emissões totais associadas às suas cadeias de fornecimento globais até a aplicação de padrões de eficiência para novos projetos de construção e a regulação das emissões de CO2 das usinas de energia."

Assim, empresas, investidores e legisladores tomaram nota, levando muito mais a sério o rastreamento da sustentabilidade pelos números, avaliando a viabilidade a longo prazo de novas iniciativas tanto em seu potencial de gerar lucro quanto em sua capacidade de fazê-lo de forma sustentável. Quando se trata de infraestrutura de grande escala, o sucesso ou fracasso desses projetos se resume à sua capacidade de melhorar nosso dia a dia, além de provar que estão cumprindo as metas de sustentabilidade de longo prazo.

Por esse motivo, os dados estão se tornando um ingrediente-chave no ecossistema de projetos de infraestrutura sustentável global. Ao acompanhar continuamente as tendências de investimento, identificando os principais atores, destacando as principais tecnologias e medindo variações ano a ano, nosso objetivo é apresentar a verdade sobre o investimento em infraestrutura sustentável. Isso inclui identificar e categorizar projetos que atendem aos critérios de sustentabilidade em sua implementação e escopo e aqueles que são financiados de forma sustentável – baseados em fontes financeiras de projeto que levam em conta os fatores de ESG ao alocar fundos.

Image of solar panels sliding towards the left side with the clouds captured above,

Capítulo 2

Dados sobre a infraestrutura sustentável 

Analisando esses números, encontramos um recorde de US$ 627 bilhões em projetos de infraestrutura sustentável que foram anunciados nos setores de energia renovável e nuclear nos segmentos eólico, solar, nuclear, lixo limpo e várias outras categorias em 2021, de acordo com dados da Refinitiv. Esse total inclui 1.521 projetos nas Américas, na região Ásia-Pacífico, na Europa e no Japão, que é mais de 3,5 vezes o número total de projetos de infraestrutura sustentável lançados uma década antes e mais de quatro vezes o valor total em dólar.

Desse total de 1.521 projetos de energia renovável e de infraestrutura nuclear, 194 foram financiados de forma sustentável, o que significa que o financiamento do projeto veio de títulos sociais, títulos vinculados de forma sustentável, títulos verdes e/ou fontes de financiamento onde uma proporção de lucros de investimento está sendo usada para resultados sustentáveis. O valor total em dólares dessas negociações de infraestrutura financiadas de forma sustentável foi de US$ 59,5 bilhões em 2021.

Em termos de tipos de projetos que estão sendo financiados, a energia solar surgiu como líder absoluta, com 863 projetos anunciados em 2021. Os projetos eólicos – que foram a categoria líder no Relatório de investimentos em infraestrutura sustentável do ano passado – vieram em seguida, com 442 novas iniciativas anunciadas no ano passado. Ambas as categorias registraram um alto volume de anúncios de novos projetos em 2021, com projetos solares crescendo a uma taxa de 6,5x em relação aos totais de 2011.

Esse rápido crescimento da energia solar acabou de receber outro impulso na forma de um anúncio em junho do governo Biden de que os EUA implementariam uma isenção tarifária de 24 meses para produtos de painéis solares de várias nações do Sudeste Asiático. Os EUA também invocaram o uso da Lei da Produção para a Defesa para promover a produção doméstica de painéis solares. Ambos os esforços foram implementados especificamente para resolver atrasos generalizados do projeto causados por problemas na cadeia de fornecimento.

Image with the windmills placed at unique distance from one another with background having the clouds and green mountains.

Capítulo 3

Nuvens no horizonte

Embora o número total de projetos anunciados sugira que 2021 foi um ano marcante para novos projetos solares e eólicos, alguns contratempos impediram que muitos projetos anunciados fossem iniciados tão rapidamente quanto as partes interessadas envolvidas gostariam. Entre a escassez de trabalhadores relacionada à pandemia e atrasos na construção, o aumento das tensões geopolíticas, a desaceleração da cadeia de fornecimento e a crescente incerteza macroeconômica, centenas de projetos foram deixados de lado.

Entre os 1.232 projetos solares e eólicos anunciados em 2020, por exemplo, apenas 47 (3,8%) foram concluídos. Da mesma forma, entre os 1.069 projetos solares e eólicos anunciados em 2019, apenas 89 (8,3%) foram concluídos.


Um exemplo de destaque desses desafios em jogo pode ser encontrado na experiência da Siemens Gamesa, a maior fabricante de turbinas eólicas do mundo, que relatou uma queda de 20,3% nas receitas do 1º trimestre de 2022, em grande parte devido a desafios de ramp-up (aceleração) causados por interrupções na cadeia de fornecimento. Por fim, a série de atrasos e oportunidades perdidas consistentes reduziram o valor de mercado da gigante eólica offshore pela metade e levaram à saída prematura do seu diretor executivo.

"Muitos grandes projetos deram terrivelmente errado", afirmou Rod Morrison, Editor da Project Finance International. "Por um lado, é um mar de rosas. O espaço de fusões e aquisições está em alta e foram anunciados muitos projetos novos. Mas, por outro lado, vemos inúmeros exemplos em que os projetos estão atrasados devido a problemas relacionados à COVID e à cadeia de fornecimento. Acrescente o fato de que o preço dos materiais está subindo, juntamente com os enormes aumentos dos preços do petróleo e do gás e as realidades da situação atual ficam consideravelmente mais sinistras."

Morrison acrescentou que os preços do petróleo e do gás têm questões duplamente complicadas porque: "Os grandes desenvolvedores de projetos se protegeram do risco dos preços, o que acabou sendo exatamente a coisa errada a se fazer, considerando os preços altos agora."

Isso se refere ao fato de que muitos projetos de energia são lastreados em contratos de longo prazo com compradores ou hedges de curto prazo para garantir os preços que foram praticados quando os preços de energia eram mais baixos. Portanto, neste momento, aqueles que têm esses hedges não se beneficiarão dos preços mais altos. Naturalmente, quando os preços estão baixos, os projetos são protegidos.

"No centro da questão está a guerra Rússia-Ucrânia, que colocou em destaque global a segurança do fornecimento de energia existente e levantou inúmeras questões sobre a viabilidade a longo prazo de estratégias de combustíveis alternativos que exigem grandes quantidades de níquel, cobalto, cobre e outros recursos naturais que são fortemente provenientes da Rússia."

A vasta riqueza mineral da Ucrânia – especialmente os seus depósitos de lítio amplamente inexplorados – foi destacada como um possível impulsionador da invasão da Rússia.

Acessar e extrair esses metais e minerais de forma sustentável em um cenário de inquietação geopolítica global é um verdadeiro ponto cego na transição para a energia limpa, de acordo com Alessandro Sanos, Global Director of Sales Strategy for Commodities na Refinitiv, uma empresa da LSEG.

"Não faremos uma transição bem-sucedida para as energias renováveis e para a eletrificação da economia se não resolvermos o desafio dos metais e minerais", explicou Sanos. "Em poucas palavras, não temos fornecimento suficiente de metais e minerais para atender à demanda insaciável e crescente necessária para atingir as metas de transição especificadas pelo Acordo de Paris e pela COP26."

Sanos acrescentou que explorar, desenvolver e entregar novas minas leva várias décadas e que políticas ambientais cada vez mais rigorosas na mineração irão invariavelmente colidir com as metas de redução de emissões.

Outro desafio significativo é o declínio da qualidade dos teores de minério. Metais e minerais são recursos não renováveis e há menos depósitos de minério de alta qualidade para desenvolver. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, o custo médio de produção de cobre aumentou mais de 300% nos últimos anos, enquanto seu teor caiu 30%.

The graphics on the image show three outlined capital letters representing acronym for energy NRG outlined with surrounding data elements

Capítulo 4

Construindo pontes

Os desafios em torno dos custos dos combustíveis fósseis geraram efeitos em cascata muito além do mundo do financiamento de projetos.

"A situação geopolítica atual realmente complicou o cenário para o investimento em infraestrutura sustentável", afirmou Darrenth Hawken, Director of Global Infrastructure and Sustainable Finance da Refinitiv, uma empresa da LSEG. "A maioria dos países reconhece que não pode gerar energia renovável suficiente com rapidez suficiente para compensar a escassez no fornecimento de energia existente. O Reino Unido, por exemplo, que tem sido líder na transição para a energia eólica, gerou apenas 20% de sua energia total dessa fonte no ano passado. Entre os desafios da cadeia de fornecimento, atrasos nos projetos e medos crescentes em relação à segurança energética, estamos realmente vendo um ressurgimento de projetos relacionados a petróleo e gás natural."

Para contextualizar a situação, considere o exemplo do projeto do gasoduto Nord Stream 2 no Mar Báltico, uma iniciativa gigantesca de US$ 11 bilhões destinada a dobrar o fluxo de gás russo diretamente para a Alemanha. O projeto, iniciado para aliviar a pressão sobre os consumidores europeus que enfrentam preços recordes de energia após a pandemia, foi interrompido pelo governo alemão em fevereiro de 2022, após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O exemplo é digno de nota porque expõe o quanto o mundo ainda depende de combustíveis fósseis e o efeito dramático que eventos geopolíticos podem ter sobre o fornecimento desses recursos. Como resultado, os países estão lutando para encontrar novas maneiras de mitigar a escassez de oferta de curto prazo, ao mesmo tempo em que se protegem contra os riscos futuros de fornecimento de combustíveis fósseis e matérias-primas necessárias para permitir a transição para energia limpa.

Morrison, do Project Finance International, explicou que a complicada reviravolta dos eventos estimulou um aumento na atividade de financiamento de projetos em gás natural líquido como uma espécie de combustível para apoiar a transição para uma produção de energia mais sustentável. Ele observou que o hidrogênio também se destacou como uma área de investimento em grande parte não testada, mas com potencial. Apontando para o projeto de financiamento de usinas de hidrogênio ACWA de US$ 7 bilhões da Arábia Saudita como exemplo, ele disse: "A invasão russa significa que todos os outros no mundo estão à procura de fontes alternativas de energia, que beneficiarão o petróleo e o gás a curto prazo e redesenharão o mapa da cadeia de fornecimento para os materiais de base usados em iniciativas de energia renovável."

De acordo com os dados da Refinitiv, foram anunciados no ano passado 36 novos projetos de infraestrutura de gás natural líquido e 120 novos projetos de hidrogênio.
Image of Tokyo city landscape of buildings.

Capítulo 5

Mostre-me o dinheiro

O cenário das fontes de financiamento para projetos de infraestrutura sustentável tornou-se também tão volátil quanto os próprios projetos. Como relatamos no ano passado, a maior parte do investimento nesses projetos ainda vem dos principais bancos comerciais globais. Ao todo, os 10 maiores bancos comerciais investiram mais de US$ 35 bilhões em projetos de infraestrutura sustentável no ano passado – um aumento de US$ 29 bilhões em 2020 – de acordo com dados da Refinitiv.

O Sumitomo Mitsui Banking Corporation e o Mitsubishi UFG Financial Group do Japão ocuparam as duas primeiras posições em volume total de financiamento de negócios em 2021. Eles foram seguidos pelo Mizuho Financial Group, Santander e Credit Agricole.

Os maiores bancos do mundo não estão sozinhos no seu interesse econômico em infraestruturas sustentáveis. Como parâmetros de referência, temos a economia verde dos EUA, que compreende empresas com produtos e serviços ecológicos, e o Índice de oportunidades ambientais da FTSE, que inclui empresas que obtêm pelo menos 20% de suas receitas de produtos e serviços ambientais, continuam a superar os investimentos de grupos de pares não ESG, os gerentes de ativos e investidores do mundo tomaram nota. Da mesma forma, a emissão global de títulos de sustentabilidade, que financiam o funcionamento geral de um emitente que tem metas de sustentabilidade explícitas ligadas às condições de financiamento do título, atingiu um nível recorde em 2021.

Claire Dorrian, Head of Sustainable Finance and Capital Markets do London Stock Exchange Group, explicou que o interesse dos investidores no espaço cresceu tão rapidamente que está mudando fundamentalmente a estrutura de mercado subjacente nos mercados de capitais globais.

"A economia verde, por si só, é a quinta maior indústria do mundo agora", explicou Dorrian. "Dessa forma, assistimos a um crescimento generalizado de novos fundos centrados em tudo, desde energia renovável até ativos de infraestrutura digital."

Dorrian apontou para os 33 fundos verdes listados somente em Londres, com um limite de mercado combinado de mais de £ 30 bilhões que abrange investimentos em recursos sociais, de energia renovável, de eficiência energética e de infraestrutura digital. Ela também assinalou os 22 fundos de infraestrutura de energia renovável que têm um valor de mercado total de £ 15 bilhões – e o setor está sendo negociado com um prêmio de 12,1% sobre o valor patrimonial líquido.

Esses números ajudam a explicar os planos do London Stock Exchange Group de desenvolver um mercado voluntário de carbono que eventualmente permitirá uma abordagem baseada no mercado para investimentos em atividades que reduzam e removam as emissões globais de carbono.

"Vemos uma oportunidade de trazer as atividades que vêm acontecendo nos mercados de balcão para a arena pública", explicou Dorrian. 

Com os dados certos e o interesse dos investidores neste espaço, acreditamos que podemos criar uma estrutura de mercado que apoie a listagem de fundos de carbono que estão investindo em projetos globais de mitigação das mudanças climáticas.
Undersea water bubbles with circular graphics on top of the image. The bubbles metaphorically represent data

Capítulo 6

DADOS: uma commodity preciosa em um mundo volátil

Embora o interesse pela sustentabilidade esteja claramente em alta entre um conjunto diversificado e crescente de partes interessadas, ainda estamos nos primeiros dias da revolução da infraestrutura verde. As tecnologias específicas, matérias-primas, fontes de financiamento e poderes regionais que, em última análise, liderarão a transição são tudo menos certos. Da mesma forma, os ambientes geopolíticos e macroeconômicos que, em última análise, trarão infraestruturas sustentáveis são mais voláteis do que os que vimos nas últimas décadas.

Esse barril de pólvora de oportunidade e risco criará inúmeras maneiras para investidores, inovadores, empresas e reguladores ganharem e perderem muito, com base em sua capacidade de separar com precisão um bom negócio de um ruim. Isso enfatiza diretamente os dados como talvez o bem mais precioso de todos no movimento de infraestrutura sustentável.

Com novos desenvolvimentos inovadores sendo lançados todos os dias e o sentimento mudando rapidamente com base em uma mistura complexa de notícias de mercado, tecnologia e política, a capacidade de traçar linhas de tendência com precisão, ler o mercado e antecipar tudo, desde problemas na cadeia de suprimentos até a escassez de mão de obra, diminuirá a um domínio de dados profundos, insights de especialistas e análises avançadas.

Inevitavelmente haverá buracos que ninguém viu no caminho para o futuro da infraestrutura sustentável. Para obter uma ampla evidência disso, não é preciso procurar mais do que os efeitos contínuos da pandemia de COVID-19. Mas também haverá oportunidades únicas em uma geração para explorar a próxima grande novidade e moldar o futuro da humanidade ao longo do caminho. Essas oportunidades são simplesmente grandes demais para serem perdidas pelas legiões de especuladores que mergulham de cabeça no espaço. A chave para sua sobrevivência será prestar atenção aos sinais certos na hora certa.

Refinitiv Infrastructure 360

A Refinitiv tem o mais abrangente conjunto de notícias, dados, insights e análises disponíveis sobre desenvolvimentos de infraestrutura global, desde rumores até a conclusão, incluindo estruturação de negócios, financiamento, definição de perfis de risco, conformidade regulatória e perfis de financiadores, investidores e consultores.

O aplicativo Infrastructure 360 (GINFR) no Refinitiv Workspace combina mais de 45 anos de conteúdo líder de Project Finance International (PFI), Refinitiv® Lipper®, Refinitiv® Deals Intelligence, Refinitiv® DataStream, Loans, Reuters News e ESG. 

Insights sobre commodities da Refinitiv

No mundo de hoje, os mercados de commodities e o cenário de infraestrutura estão cada vez mais interligados. Os movimentos em matéria-prima afetam o ritmo e o custo dos projetos de infraestrutura, e vice-versa. Como exemplo, grandes quantidades de metais e minerais são necessárias para construir parques eólicos e transmitir energia. Qualquer aumento nos preços das commodities levará a custos de construção mais altos para as instalações de infraestrutura. No planejamento e financiamento de projetos, portanto, é fundamental considerar fatores que afetam o fornecimento, os fluxos e os custos das commodities. Para antecipar oportunidades e desafios na infraestrutura, os investidores precisam monitorar os movimentos das commodities. A Refinitiv tem o conjunto mais abrangente de dados exclusivos, análises, insights de especialistas e notícias exclusivas sobre movimentação de mercado nos mercados globais de commodities. Otimize sua análise e tome decisões de investimento mais informadas com acesso a insights sobre Commodities da Refinitiv.