Ir para conteúdo

Transição da LIBOR: taxas de fallback e o mercado à vista em USD

Jacob Rank-Broadley
Jacob Rank-Broadley
Head of LIBOR Transition, B&I

Em recente webinar organizado pela Refinitiv, um painel de especialistas discutiu importantes questões relacionadas aos produtos à vista em USD que ainda estarão atrelados a LIBOR depois que ela for extinta.


  1. As configurações da LIBOR em USD mais comumente utilizadas serão aposentadas (ou deixarão de ser representativas) após 30 de junho de 2023, segundo comunicado da Autoridade de Conduta Financeira.
  2. Em um recente webinar organizado pela Refinitiv, os panelistas opinaram sobre como a indústria deve lidar com os contratos à vista legados e linguagem de fallback conforme o prazo para o fim da LIBOR se aproxima.
  3. Refinitiv USD IBOR Cash Fallbacks são versões operacionais da linguagem de fallback recomendada pelo Alternative Reference Rate Committee (ARRC). Elas serão capazes de suportar a carga operacional associada à implementação da linguagem de fallback.

Em 5 de março de 2021, a Autoridade de Conduta Financeira (FCA, na sigla em inglês) anunciou que em 31 de dezembro deste ano, as configurações da London Interbank Offered Rate (LIBOR) de uma semana e de dois meses em USD serão extintas de forma permanente. E, imediatamente após 30 de junho de 2023, os prazos restantes da LIBOR em USD deixarão de ser publicados por seus administradores ou não mais serão considerados representativos.

A LIBOR será substituída por taxas alternativas livres de risco (RFRs), como a Secured Overnight Financing Rate (SOFR) nos mercados de dólares americanos.1

Ouça o webinar completo “LIBOR Transition: Why Does the USD Cash Market Need Fallback Rates?”

Desafios do setor financeiro

Os panelistas abriram o webinar com uma discussão sobre alguns dos desafios enfrentados pelo setor financeiro à medida que o prazo para a utilização da LIBOR em USD se aproxima.

Segundo eles, uma das áreas que merece maior atenção é a dos “contratos legados rígidos”, ou seja, aqueles que não contam com linguagem substituta adequada para quando a LIBOR em USD não puder mais ser aplicada.

O Alternative Reference Rate Committee (ARRC) –grupo formado por representantes do setor privado e reguladores convocados pelo conselho do Federal Reserve e pelo Fed de Nova York para ajudar a garantir uma transição “suave” da LIBOR em USD—, lançou uma linguagem de fallback que é recomendada para os produtos à vista atrelados LIBOR em dólares americanos.

Essa linguagem de fallback recomendada pelo ARRC define as circunstâncias sob as quais as referências à LIBOR em um contrato seriam substituídas por uma taxa de referência alternativa juntamente com um ajuste em um benchmark de spread –este ajuste destinado a contabilizar as diferenças inerentes entre a LIBOR e o benchmark de substituição.

O estado de Nova York aprovou recentemente uma nova legislação que deve auxiliar em uma transição tranquila da LIBOR. Para contratos legados que contêm apenas linguagem de fallback baseada na LIBOR (ou nenhuma linguagem de fallback), a legislação fará com que o texto existente seja eliminado e substituído automaticamente pela cláusula de fallback recomendada pelo ARRC. E o ARRC defende que esses termos aprovados no estado de Nova York sejam adotados em nível federal.

A nova linguagem de fallback do ARRC, em conjunto com a recente lei do Estado de Nova York, garantiria que os contratos funcionem conforme pretendido após a aposentadoria da LIBOR.

O painel também enfatiza que a cláusula de fallback para produtos destinados aos consumidores (ou seja, indivíduos) seja distinta daquela para os produtos institucionais (empresas). Ela seria muito mais simples e direta, mas os princípios gerais permaneceriam os mesmos.

Publicação de taxas

Jacob Rank-Broadley, chefe de transição da LIBOR na Refinitiv, reitera que, ao incluir um elemento prático, estamos nos esforçando para garantir que o árduo trabalho do ARRC ganhe vida.

Refinitiv USD IBOR Cash Fallbacks são versões operacionais da linguagem de fallback recomendada pelo ARRC e compreendem três componentes:

  • A taxa de substituição ou taxa SOFR ajustada (a taxa SOFR média para qualquer prazo)
  • O ajuste de spread para compensar as diferenças entre SOFR e LIBOR
  • Um número final que englobe tudo e que possa ser usado como uma taxa de substituição

E haverá dois “modelos”, um para produtos destinados aos consumidores e outro para os produtos institucionais.

Rank-Broadley confirma que as taxas Refinitiv estarão disponíveis em forma de protótipo em breve, e até o final do ano já serão produzidas para valer. Elas poderão ser acessadas pelo nosso site, e qualquer pessoa que assine um produto ou serviço da Refinitiv poderá consultá-las em tempo real.

Além disso, ele lembra que outros provedores de dados são encorajados a usar as taxas Refinitiv, e que acredita que elas estarão amplamente disponíveis e integradas às soluções de muitas empresas.

A Refinitiv também está agindo para garantir uma comunicação clara e concisa que ajudará a suavizar a experiência do consumidor antes e durante a transição da LIBOR.

Como será a adoção pelo mercado?

O ARRC segue discutindo como se dará a adoção das novas taxas pelo mercado e vem analisando profundamente o seu papel –muito além de fornecer a linguagem de fallback recomendada. O grupo chegou à conclusão de que essas taxas são inestimáveis, pois oferecem assistência concreta que ajudará a tornar o complexo processo de transição muito mais palatável.

Atuando como substitutas da LIBOR, essas taxas contribuirão para minimizar as disrupções no mercado. Se não estivessem disponíveis, as instituições arcariam com uma carga operacional muito maior. Por outro lado, ser capaz de acessar uma tela e obter as taxas publicadas diretamente, sem intervenções manuais, facilita muito as operações.

No encerramento do webinar os especialistas ainda ofereceram alguns conselhos importantes para aquelas empresas que têm produtos à vista legados que são atrelados a LIBOR e que vencem após 30 de junho de 2023:

  • O curso de ação mais simples é renegociar e refinanciar contratos sempre que possível, pois isso permite flexibilidade para definir o spread e não depender de fallbacks.
  • O ARRC também recomenda iniciar o processo de planejamento antecipadamente, reduzindo assim incertezas em relação à situação de fallback.
  • Como sempre, o conselho da Refinitiv é realizar um planejamento minucioso e completo, que ajudará a suavizar a transição da LIBOR. Também desenvolvemos uma ampla gama de benchmarks, dados e análises para apoiar as empresas durante essa transição histórica.

Ouça o webinar completo “LIBOR Transition: Why Does the USD Cash Market Need Fallback Rates?”